18 fevereiro 2011

Distribuição das espécies e ameaça de extinção

A biodiversidade não está distribuída uniformemente na Terra. Ela é mais rica nos trópicos e em algumas outras regiões isoladas , como a Província Florística do Cabo na África do Sul. Nas regiões polares geralmente encontramos uma quantidade bem menor de espécies. Flora e fauna dependem do clima, da altitude, do solo e da presença de outras espécies.

No ano de 2006 um grande número de espécies da Terra foram formalmente classificadas como rara ou espécies ameaçadas de extinção. Além disso , muitos cientistas estimam que existam milhões de espécies ameaçadas que realmente ainda não foram formalmente reconhecidas. Cerca de 40% das 40.177 espécies avaliadas usando os critérios da lista vermelha da IUCN (União Internacional para Conservação das espécies), estão listadas como espécies ameaçadas de extinção - um total de 16.119 espécies.

Embora haja declínio da biodiversidade do equador para os pólos nas ecorregiões terrestres, o mesmo não se pode afirmar em relação aos ecossistemas aquáticos, especialmente em ecossistemas marinhos onde as causas deste fenômeno não são claras.

Além disso, particularmente nos ecossistemas marinhos, há vários indicadores de que a diversidade aumente em latitudes mais altas. Portanto, a falta de informação sobre biodiversidade aquática nos trópicos e regiões polares impede conclusões científicas sobre a distribuição da biodiversidade aquática do mundo.
A região de máxima biodiversidade é aquela com um elevado nível de espécies endêmicas. A rica diversidade de espécies únicas em muitas partes do mundo existe simplesmente porque elas são separadas por barreiras , sobretudo grandes rios, oceanos, montanhas e desertos, de outras espécies.

Estes pontos da mais rica biodiversidade foram identificados pela primeira vez em 1988 pelo Dr. Norman Myers em dois artigos na revista científica O Ambientalista. Regiões de Densa habitação humana tende a ocorrer perto desses locais. A maioria dessas regiões terrestres estão localizadas na trópicos e a maioria delas são florestas.

No Brasil a Mata Atlântica é considerada uma mega região de biodiversidade e contém cerca de 20.000 espécies de plantas, 1.350 animais vertebrados, e milhões de insetos, cerca de metade não se encontram em nenhum outro lugar do mundo.

A ilha de Madagáscar também possue uma elevada proporção de espécies com endemismo na sua biodiversidade, já que a ilha separou se do continente África a mais de 65 milhões de anos , a maioria das espécies e ecossistemas têm evoluído de forma independente produzindo espécies únicas diferentes daquelas encontradas em outras partes da África.
Muitas regiões de alta biodiversidade, bem como de alto endemismo, surgem em regiões de habitats localizados e que necessitam de mecanismos de adaptação incomum, por exemplo, nos ambientes alpinos em altas montanhas.

A biodiversidade encontrada no Terra hoje é o resultado de 3,5 bilhões de anos de evolução. A maior causa da extinção de uma espécie são às atividades humanas, em particular a destruição dos seus habitats.
Outro fator que prejudica e ameaça a biodiversidade nativa é a introdução generalizada de espécies exóticas pelo homem. Quando as espécies exóticas são introduzidas nos ecossistemas e conseguem estabelecer a auto- sustentação das populações, as espécies endêmicas do ecossistema, que não evoluíram para lidar com as espécies exóticas podem não sobreviver.

O fenômeno recente do aquecimento global também é considerado uma grande ameaça à biodiversidade global.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo