21 fevereiro 2010

Animais extintos na natureza

Lista de algumas espécies extintas na natureza em vida selvagem

Dromedário
Camelus dromedarius -> É um mamífero nativo da região nordeste da África e da porção oeste da Ásia, distingue-se do camelo bactriano, nativo da Ásia Central, pela presença de uma corcova em vez de duas. O dromedário encontra-se extinto na Natureza e a população existente no Oriente Médio vive domesticada. O único local do mundo onde ainda restam populações selvagens é nas zonas áridas da Austrália, que tem condições de clima e paisagem relativamente semelhantes. Os dromedários australianos são descendentes de animais introduzidos pelos pioneiros que exploraram o centro do pais e que depois passaram ao estado selvagem.

Ararinha-azul Cyanopsitta spixii -> É uma arara restrita ao extremo Norte da Bahia ao Sul do rio São Francisco. Chega a medir até 57 cm de comprimento. O maior responsável pelo desaparecimento desta ave é o ser humano devido ao intenso tráfico. Atualmente existem apenas 78 exemplares da ararinha-azul no mundo, o que a torna uma das mais raras espécies vivas. Destes, apenas oito podem ser encontrados no Brasil.

Rinocerontes Brancos do Norte Cottoni Ceratotherium simum -> Estes animais são considerados extintos na natureza, existem atualmente oito no mundo, todos vivem em cativeiro. Seis( atualmente dois) vivem na República Checa e os outros dois atualmente vivem no San Diego Wild Animal Park na Califórnia. Quatro dos seis que viviam no zoológica da República Tcheca foram levados para uma reserva no Quênia, são os únicos em idade para reprodução. A população do Jardim Zoológico está em declínio e, possivelmente, não é viável. Eles raramente reproduzem em cativeiro, porisso, os quatro capazes de produzir foram devolvidos ao seu local de origem no Quênia, onde eles são mantidos em cativeiro parcial.

leão do atlas ou Leão Barbario Panthera leo leo -> é a maior e mais feroz de todas as subespécies de leão, podendo os machos chegar a pesar entre 270 a 330 kg e as fêmeas entre 180 a 210 kg. É o segundo maior felino existente, sendo superado apenas pelo tigre-siberiano. O último leão-do-atlas em liberdade foi morto em 1922 no Marrocos, na região dos montes Atlas. Acreditou-se que estava extinto até que foram encontradas em cativeiro algumas populações com características desta subespécie. Descobriu-se que alguns leões, em zoológicos ao redor do mundo inteiro, são descendentes dos leões do atlas, porém não pertencem a uma linhagem pura, ou seja, estão hibridizados. O Projeto Leão-do-atlas foi criado com o intuito de recriar o leão do atlas, através de uma cuidadosa reprodução selecionada entre os seus descendentes.

Porquinho da índia Cavia porcellus -> é um roedor sul-americano da família dos caviídeos, existindo atualmente apenas como animal doméstico. Os porquinhos-da-Índia vivem de quatro a oito anos e podem reproduzir-se ao longo de todo o ano, gerando dois a cinco filhotes por ninhada. Os machos chegam a pesar entre 1 kg e 1,2 kg e a medir 25 cm quando adultos. Já as fêmeas são mais leves, com aproximadamente 20 cm de comprimento e com entre 800 e 900 g de peso.

Mutum do nordeste ou mutum de alagoas Mitu mitu mitu -> Era encontrado originariamente na Mata Atlântica brasileira. Está extinta na natureza devido à destruição de seu habitat para o plantio de cana de açucar e pela caça desregrada no Nordeste brasileiro. Seus últimos registros datam de 1978, 1984 e 1987. A população total da ave em cativeiro era de 60 em 1986 e 34 em 1993. Hoje em dia ultrapassa os 100.

Cervo do padre david Elaphurus davidianus ->é um raro cervídeo, originário da China. Sua sobrevivência se deve em boa parte ao missionário francês Armand David, que em 1865 levou vários exemplares à Europa. Segundo a IUCN, este cervídeo foi em 2008 classificado como extinto em meio selvagem. Hoje são encontrados em zoológicos espalhados pelo mundo. Quando eles foram avaliados para a Lista Vermelha da IUCN em 1996 foram classificados como criticamente em perigo sua população selvagem foi estimada em menos de 50 indivíduos maduros. A partir da última avaliação, em outubro de 2008, eles já estão listados como extinto na natureza.

Leão branco constitui uma rara mutação de cor do leão sul africano Panthera leo krugeri, também extinto na vida selvagem. Eles não são albinos e sim resultado de mutação genética dos sul-africanos. Estes leões nunca foram muito vulgares na natureza. O gene que confere esta característica é recessivo, e apenas se revela quando são cruzados indivíduos portadores do gene mutante. Este cruzamento é feito propositadamente em zoológicos e por essa razão é nestes onde existe o maior número de indivíduos. Apareciam também na reserva de Timbavati e no parque Kruger, na África do Sul, mas desde 1993 não são avistados, estando provavelmente extintos na natureza.

Corvo havaiano Hawaiiensis Corvus -> Antigamente era encontrado na Ilha do Havaí nas florestas das montanhas. Esta espécie é caracterizada por uma elevada capacidade de vôo e sua inteligência. O motivo da extinção não foi definitivamente encontrado, mas acredita-se que a introdução de doenças tenham um papel importante no declínio desta espécie. Os dois últimos indivíduos selvagens conhecidos do corvo havaiano desapareu em 2002. A espécie é classificada como Extinta na natureza. Enquanto cerca de 56 individuos vivem em dois cativeiros com tentativas de reprodução. Embora exista esses indivíduos em cativeiro, qualquer tentativa de reintroduzir na natureza é dificultada pela ação do predador natural o falcão havaiano que, por sua vez, é classificado como quase ameaçado. O pequeno número de indivíduos pode significar que o grupo genético foi reduzida de tal forma que a espécie não tem nenhuma chance de recuperação.

Tartaruga das seychelles Hololissa Dipsochelys -> pensava ser uma espécie extinta desde meados do século 19, devido à super-exploração de granito ns ilhas Seychelles. Em 1840, tinha desaparecido do seu meio natural e foi classificada como extinta. Em 1999, foi sugerido que algumas tartarugas das ilhas Seychelles, mais propriamente,12 indivíduos conhecidos sobreviviam em cativeiro. Um relatório sobre as tartarugas em cativeiro levou a Proteção das tartarugas de Seychelles para examinar a identidade das tartarugas vivas. Exames de espécimes do museu das espécies "extintas" mostraram que algumas tartarugas vivas possuem características da espécie considerada extinta. No entanto, artigos científicos publicados recentimente sobre a genética das Seychelles e das tartarugas do Oceano Índico fornecem resultados conflitantes. Alguns estudos sugerem que apenas uma espécie esteve presente historicamente, mas outros defendem a presença de três espécies estreitamente relacionadas.

1 Comentário:

carlos disse...

o meu imaol é caf.contato@yahoo.com.br
carlosfuzaro@hotmail.com trata-se de meu orkut.por gentileza gostaria de saber mais sobre o leao do atlas.Como anda esse projeto de reintroduzi-lo na natureza alem do fato de que talvez existam linhagens puras do atlas preservadas pela dinastia de reis do marrocos.Gostaria de saber a veracidade disso se vcs puderem me dar maiores informaçoes eu agradeço ha e uma curiosidade esses descendentes do atlas sao tao grandes quanto um especime original dessa subspecie de leao,obrigado pela atençao,até

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo