01 junho 2009

Gestão ambiental e manejo das Florestas.

Desde a Revolução neolítica cerca de 47% das florestas do mundo foram perdidos para uso humano. Nos dias atuais as florestas ocupam cerca de um quarto do consumo mundial de terra livre de gelo, cerca de metade das quais ocorrem nos trópicos, em regiões temperadas e boreais. A área florestal está aumentando gradualmente com exceção da região da Sibéria, mas o desmatamento nos trópicos é de grande preocupação.

As florestas são responsáveis por moderar o clima local e ajudar a regular o ciclo global da água através da reflexão da luz e da evapotranspiração. Elas também conservam a biodiversidade, protegem a qualidade da água e do solo, fornecem combustível e produtos farmacêuticos além de purificarem o ar.

Estes beneficios ao ecossistema não têm valor no mercado e, portanto, a conservação florestal tem na prática pouco recurso, quando comparado com os benefícios económicos da exploração madeireira e de apuramento que, através da degradação do solo e decomposição orgânica, devolve o dióxido de carbono para a atmosfera.

Estima se que cerca de 90% do carbono armazenado na vegetação terrestre está bloqueado nas árvores e que elas podem absorver cerca de 50% mais carbono do que o que está presente na atmosfera. As alterações climáticas podem ser suavizados pela absorção de carbono em sistemas de reflorestamento e plantações. Também a biomassa de madeira pode ser utilizada como combustível renovável de carbono neutro.

O acompanhamento do estado de conservação das florestas do mundo deve ser parte de uma estratégia global para reduzir as emissões e proteger os ecossistemas. No entanto, as alterações climáticas podem antecipar-se a este cenário de reflorestamento, um estudo concluiu que o aumento de até 2.5 graus celsius acima dos níveis estabelecidos poderia resultar na liberação de grandes quantidades de carbono grande demais para o potencial de absorção das florestas.

Algumas estimativas científicas indicam que até metade das espécies atualmente existentes podem tornar-se extintas em 2100. As atuais taxas de extinção são preocupantes, com mais de 10% das aves e mamíferos ameaçados, cerca de 8% das plantas , 5% de peixes e mais de 20% das espécies de água doce.

O Índice da Lista Vermelha de 2008 identifica 44 espécies de árvores na Ásia Central como ameaçadas de extinção devido à super exploração e ao desenvolvimento humano ameaçando a região de floresta, que são o lar de mais de 300 espécies antepassadas que deram origem as frutas e castanhas domesticadas cultivadas hoje.

Todos esses problemas ambientais associados à agricultura industrial e agroindustrial estão agora sendo abordados através de movimentos, tais como a agricultura sustentável, agricultura biológica e as práticas empresariais mais sustentáveis.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo