27 setembro 2009

Mais efeitos negativos do aquecimento global.

As florestas de pinheiros na Columbia Britânica foram devastadas por uma infestação de besouros nos pinhais, que se expandiu sem restrições desde 1998, pelo menos em parte devido à falta de invernos rigorosos desde aquela época, poucos dias de frio extremo matariam mais besouros do pinho e manteriam os focos contidos naturalmente.

A infestação, que até Novembro de 2008 já matou cerca de metade dos pinheiros da província, cerca de 33 milhões de hectares, ou 135.000 km2, é de uma grandeza maior do que qualquer surto visto anteriormente. Ocorreu uma infestação anterior, em 1999, no Colorado, Wyoming e Montana porem com resultados muito menos desastrosos. O Serviço Florestal Estados Unidos prevê que entre 2011 e 2013 praticamente todos os 5 milhões de acres ou 20.000 km2 de pinheiros no Colorado serão perdidos.

Enquanto as florestas são um sumidouro de carbono, as florestas mortas são uma importante fonte de carbono, a perda de grandes áreas de floresta tem se um retorno positivo sobre o aquecimento global. No pior ano das emissões de carbono atribuidas a infestação do escaravelho das florestas da Columbia Britânica, os resultados se aproximam a média anual de incêndios florestais em todo o Canadá ou a cinco anos de emissões das fontes de transporte do país.

Além do impacto imediato ecológico e econômico, as enormes perdas de florestas representam um sério risco de incêndio. Mesmo muitas florestas saudáveis parecem enfrentar um risco maior de incêndios florestais por causa do aquecimento do clima. A média anual de queimadas na floresta boreal na América do Norte, após várias décadas, de cerca de 10.000 km ², tem aumentado constantemente desde 1970 para mais de 28.000 km ² por ano.

Embora esta mudança poça ser, em parte, devido a mudanças nas práticas de gestão florestal, desde 1986, os verões mais quentes resultou em um aumento de quatro vezes o número incêndios florestais e um aumento de seis vezes na área de floresta queimada, em comparação com o período de 1970 a 1986.

Um aumento similar na atividade de incêndios tem sido relatada no Canadá entre 1920 e 1999.

Os incêndios florestais na Indonésia aumentaram drasticamente desde 1997 também. Estes incêndios começaram a desbravar a floresta para a agricultura.

As montanhas cobrem aproximadamente 25 por cento da superfície terrestre e oferecem um lar de mais de um décimo da população humana global. As mudanças no clima global implicam uma série de riscos potenciais para os habitantes das montanhas. Os investigadores esperam que, ao longo do tempo, as mudanças climáticas afetem os ecossistemas de montanha e de planície, a freqüência e a intensidade dos incêndios florestais, a diversidade da fauna e da distribuição de água.

Plantas e animais teriam espaço disponível limitado no novo habitat e se moveriam mais sobre as montanhas, a fim de se adaptar às mudanças de longo prazo no clima regional. Mudanças no clima também afetam a profundidade das geleiras das montanhas. Quaisquer mudanças em seu derretimento sazonal podem ter um impacto poderoso sobre as áreas que dependem de escoamento de água das montanhas. O aumento da temperatura pode causar derretimento da neve mais cedo e mais rápido na primavera e alterar o calendário e distribuição do escoamento.

Essas mudanças podem afetar a disponibilidade de água doce para os sistemas naturais e usos humanos. De acordo com um documento de 2003 de Smith e Hitz, é razoável supor que a relação entre o aumento da temperatura média global e da produtividade do ecossistema é parabólico.

Temperaturas mais altas podem ser inicialmente favoráveis para o crescimento das plantas. Eventualmente, o crescimento teria um pico e em seguida diminui. Segundo o relatório do IPCC, o aumento da temperatura média global superior a 1,5 a 2,5 ° C em relação ao período 1980 a 99, teria, provavelmente, um impacto predominantemente negativos sobre os ecossistemas, abastecimento de água e alimentos.

A pesquisa feita pelo suíço Canopy Crane sugere que as árvores de crescimento lento só são estimuladas em crescimento por um curto período com níveis mais elevados de CO2, enquanto plantas de crescimento rápido teriam beneficio a longo prazo. Em geral, mas especialmente em florestas tropicais, isto significa que os cipós seriam a espécie predominante, porque se decompõem muito mais rápido que as árvores. Árvores de crescimento lento incorporam carbono da atmosfera por décadas.

O balanço dos impactos positivos e negativos sobre a saúde irá variar de um local para outro. Impactos adversos na saúde serão maiores nos países de baixa renda, os impactos negativos das alterações climáticas superam os benefícios, especialmente em países em desenvolvimento. Alguns exemplos de impactos negativos sobre a saúde incluem o aumento da desnutrição, aumento das mortes e ferimentos devido a ondas de calor, inundações, tempestades, incêndios e secas e aumento da frequência das doenças cárdio-respiratória.

De acordo com um estudo de 2009 por acadêmicos da UCL, as alterações climáticas e o aquecimento global representam a maior ameaça para a saúde humana no século 21.

1 Comentário:

Cristina e Márcia disse...

Quanto mais provas, mais a humanidade duvida da agonia do planeta...
bjs, Marcia

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo