28 julho 2009

Crianças sofrem com cigarro durante a gestação

Uma série de estudos têm mostrado que o fumo é um fator significativo de abortos entre as grávidas fumantes e que contribui para uma série de outras ameaças para a saúde do feto. Aparentemente a fumaça para os fumantes passivos apresentam um perigo igual para o feto, como um estudo observou que o fato do pai fumar aumentou o risco de perda precose na gravidez. 

Os recém-nascidos que morrem de SMSL(Sindrome de Morte Subita Lactante) tendem a ter maior concentração de nicotina e cotinina (um marcador biológico para a exposição à fumaça passiva), em seus pulmões do que aqueles que morrem por outras causas. 

Enquanto fumar durante a gravidez aumenta o risco de SIDS, crianças expostas à fumaça, após o nascimento também estão em maior risco da Síndrome de morte súbita infantil. A nicotina tragada pela mulher no momento que fuma viaja através de seu leite materno, assim, é como se tivesse dando a droga ao seu filho. 

A fumaçado cigarro que afeta os fumantes passivos tem sido associada a cerca de 150.000 a 300.000 infecções do tracto respiratório inferior em lactentes e crianças menores de 18 meses de idade, resultando em entre 7500 e 15.000 internações por ano. 

O tabagismo passivo é conhecido por prejudicar as crianças, bebés com doença aguda do trato respiratório inferior, indução e exacerbação da asma, sintomas respiratórios crônicos, infecção do ouvido médio, menor peso ao nascer dos bebés e Síndrome de morte súbita infantil ou PEID. 

Em um estudo publicado em 25 de agosto de 2004 políticas antitabaco foram ligadas a curto prazo a uma redução nas admissões do infarto agudo do miocárdio. Em um outro estudo divulgado em 12 de fevereiro de 2006 sinais de alarme para as doenças cardiovasculares são mais elevados em pessoas expostas a fumaça do tabaco, juntando-se à ligação entre o "fumo passivo" e doenças do coração. 

De acordo com estudos a proibição do tabaco levou a melhorias significativas em relação aos sintomas respiratórios e função pulmonar em pessoas visitantes de bares e restaurantes. Anteriormente cientistas afirmaram que a fumaça do tabaco leva a doença coronária, cancro do pulmão e morte prematura. O estudo está disponível na edição de fevereiro do American Journal of Industrial Medicine. 

Há crescentes evidências de que os produtos nocivos do tabagismo matam células espermáticas. Por isso, alguns governos obrigam os fabricantes a colocar avisos nos maços de cigarros. Fumar aumenta a ingestão de cádmio, porque o tabaco absorve o metal. Cádmio, sendo quimicamente semelhante ao zinco, pode substituir o zinco no DNA polimerase, que desempenha um papel crítico na produção espermática. O zinco substituído pelo cádmio no DNA polimerase pode ser particularmente prejudicial para os testículos. 

A incidência de impotência é aproximadamente 85 por cento maior no sexo masculino em fumantes em comparação aos não-fumantes e é uma das principais causas de disfunção erétil. Fumar provoca impotência porque promove estreitamento arterial . Há pouca evidência de que o tabagismo diminui a incidência de gravidez induzida pela hipertensão, mas não a nenhuma evidencia quanto a gravidez de mais de um bebê ou seja, não tem qualquer efeito sobre gêmeos, etc. 

Fumar, no entanto, aumenta a probabilidade de quase todos os outros riscos á saúde da gravidez  para a mãe e o filho e é a maior causa evitável de doenças e de morte entre mães e crianças no mundo desenvolvido.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo