15 junho 2009

O problema do desmatamento na Amazônia.

As principais fontes de desmatamento na Amazônia são a colonização humana e a urbanização dos terrenos. Antes do início dos anos 1960, o acesso ao interior da floresta foi muito restrito e a floresta permaneceu praticamente intacta. Fazendas estabelecidas durante a década de 1960 foi baseada na cultura do desbravamento. No entanto, os colonos eram incapazes de gerir os seus campos e as culturas, devido à perda de fertilidade do solo e da invasão de plantas daninhas.

Os solos da Amazônia são produtivos apenas por um curto período de tempo e, portanto, os agricultores estão constantemente a mudar-se para novas áreas clareira e mais terras. Estas práticas agrícolas levou à desflorestação e causou extensos danos ambientais. Entre 1991 e 2000, a área total de floresta perdida na Amazônia aumentou de 415.000 para 587.000 km2, com a maior parte perdida da floresta se tornando pastagem para gado.

Setenta por cento das Terras ex-florestais da Amazônia, e 91% das terras desmatadas desde 1970, é usada para pecuária e pastagem. Além disso, o Brasil é atualmente o segundo maior produtor mundial de soja após os Estados Unidos. As necessidades dos agricultores de soja têm sido usados para validar muitos dos controversos projetos de transporte que estão atualmente a se desenvolver na Amazônia. As duas primeiras rodovias com sucesso abertas na floresta levaram ao aumento da urbanização e desmatamento.

A média da taxa de desmatamento anual de 2000 a 2005 foi de 22.392 km2 por ano, 18% mais elevados do que nos cinco anos anteriores 19.018 km2 por ano. Ao ritmo atual, em duas décadas, a Amazônia será reduzido em 40%. Entre 2005 e 2006 houve uma queda no desmatamento de 41%, este foi o valor mais baixo desde 1991.

Em 2008, o presidente peruano Alan García apoiado pelo executivo através do decreto -lei conhecido como "Ley de la Selva", "a lei da selva", permitiu a venda de terras da Amazônia de propriedade estatal a empresas privadas, sem limites de prazo para os direitos de propriedade. Embora a lei tenha sido promovida como uma medida de "reflorestamento", os críticos da privatização questionaram os resultados que a medida teria de fato, podendo provocar um maior desmatamento da Amazônia e deixando incerto o destino dos povos indígenas do Peru, que normalmente não detêm o título formal da floresta em que subsistem. Devida a generalizada resistência, a lei acabou revogada pelo legislador Peruano por ser inconstitucional.

O primeiro-ministro norueguês Jens Stoltenberg anunciou em 16 de setembro de 2008, que o Governo norueguês doaria E.U. $ 1 bilhão para o recém-criado Fundo da Amazônia. O dinheiro deste fundo irá para os projetos que visam diminuir o desmatamento da floresta amazônica.

1 Comentário:

linkselinksnet disse...

Valeu, Cleisson
Use e abuse do blog e das novidades. É um prazer, compartilhar com você!
Beijo,
Vera

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo