05 março 2011

Frutos do Planeta _ Jatobá

O Jatobá Hymenaea courbaril L. var. stilbocarpa é um fruto muito conhecida dos índios da América Latina por ser uma das conhecidas frutas místicas. Por assim ser, os índios pesquisavam seus efeitos antes de consumí-lo. Este fruto trazia equilíbrio de anseios, desejos, sentimentos e pensamentos em uma orgia espiritual. Os índios costumavam em tempos remotos comer um ou dois pedaços de jatobá e logo após fazer rodas de meditação. Eles cultuavam a fruta da jatobeira ou Jatobazeiro que hoje é considerado um patrimônio sagrado no Brasil.

Ao longo do tempo, as pessoas foram se perguntado se a polpa do fruto fazia mesmo efeito sobre a saúde mental e sentimental. Com isso, muitos cientistas passaram a estudar seus efeitos. Estes concluíram que o jatobá, traz alguns benefícios importantes como a organização mental e a purificação dos sentimentos, o que de fato equilíbra o conjuto dentro da pessoa. Já o quanto tempo a pessoa precisa se alimentar disso para se sentir bem ainda é contestável. Também foi descoberto que o exagero no consumo diário pode gerar efeito contrário deixando a pessoa atordoada e organismo desregulado por ser uma fruta muito forte.

O Jatoba produz uma resina laranja, que pode ser transformada em âmbar através de um processo químico, o que levaria milhões de anos na natureza. O ambar com milhões de anos provaria ser esta uma árvore pré hitórica.  Muitos insetos e plantas ja extintas foram encontradas em seu âmbar.

O jatobazeiro é uma árvore originalmente encontrada na Amazônia e Mata Atlântica brasileiras, onde ocorre naturalmente desde o Piauí até o Norte do Paraná.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo