11 setembro 2009

Risco de extinção pelo Aquecimento Global.

O aquecimento global descontrolado poderia afetar ecorregiões terrestre.

O aumento da temperatura global permite que os ecossistemas mudem, algumas espécies estão sendo forçadas a sair dos seus habitats potencializando o risco de extinção devido a mudanças nas condições, enquanto outras estão florescendo.

Os efeitos secundários do aquecimento global, como a diminuição da cobertura de neve, a subida do nível do mar e mudanças climáticas, podem influenciar não somente as atividades humanas mas também os ecossistemas. Estudar a associação entre o clima na Terra e extinções ao longo dos últimos 520 milhões de anos, levanram os cientistas da Universidade de York a escrevem, "As temperaturas globais previstas para os próximos séculos podem desencadear uma extinção em massa, onde mais de 50 por cento das espécies animais e vegetais seriam exterminadas.

"Muitas das espécies animais em risco estão na fauna do Ártico e da Antártida, como os ursos polares e os pinguins imperador. No Ártico, as águas da Baía de Hudson ficam sem gelo durante três semanas a mais por ano do que há trinta anos, afetando os ursos polares, que preferem caçar no gelo do mar. Espécies que dependem de condições de clima frio como as corujas da neve que caçam roedores e usam o inverno frio para levar vantagem podem ser atingidas.


Invertebrados marinhos desfrutam de um pico de crescimento à temperaturas que se adaptaram independentemente de estas serem frias. Os animais de sangue frio encontrados em latitudes maiores e maiores altitudes geralmente crescem mais rápido para compensar o curto período de crescimento. O resultado fora do ideal provocado pelo maior metabolismo tem conseqüencia na redução do tamanho do corpo, o que eleva ao maior risco de predação. Na verdade, mesmo um ligeiro aumento na temperatura durante o desenvolvimento prejudica a eficiência de crescimento e taxa de sobrevivência em truta arco-íris por exemplo.

A elevação das temperaturas está começando a ter um impacto significativo sobre as aves, e borboletas mudando suas escalas no norte em 200 km na Europa e América do Norte. As plantas estão atrasadas, e as migrações dos maiores animais "é retardada por cidades e estradas. Na Grã-Bretanha, borboletas mola estão aparecendo uma média de 6 dias mais cedo do que há duas décadas.

Um artigo de 2002 na revista Nature analisou a literatura científica para encontrar as recentes alterações no intervalo ou comportamento sazonal em espécies vegetais e animais. Das espécies que apresentaram mudança recente, 4 ou 5 deslocaram suas escalas para os pólos ou altitudes mais elevadas, criando uma espécies de "refugiao".

As aves migram em média de 2 a 3 dias antes a cada década, borboletas, pássaros e plantas se deslocam para os pólos cerca de 6,1 km por década. Um estudo de 2005 concluiu que a atividade humana é a causa do aumento da temperatura e a conseqüente mudança de comportamento das espécies. Os cientistas observaram que, na Antártida, a grama cabelo está colonizando áreas onde previamente a sua sobrevivência foi limitada. Estudos mecanísticos têm documentado extinção devido às alterações climáticas recentes.

Poucos estudos têm sido realizados em uma escala que abrange uma espécie inteira e poucos estudos mecanísticos sobre extinções ligaram nas às mudanças climáticas recentes. Daniel Botkin e outros autores de um estudo acreditam que as taxas projetadas de extinção estão superestimados. Muitas espécies de plantas e animais de água doce e água salgada são dependentes das águas glaciares para assegurar um habitat de água fria a que eles se adaptaram.

Algumas espécies de peixes de água doce necessitam de água fria para sobreviver e se reproduzir e isto é especialmente verdade em relação ao salmão e a truta de Cutthroat. A redução do escoamento das geleiras pode levar a vazão insuficiente para permitir que essas espécies venham a prosperar.

O krill do oceano, uma espécie de pedra, tem preferência a água fria e são a principal fonte de alimento para os mamíferos aquáticos como a baleia azul. As alterações nas correntes oceânicas, devido ao aumento na quantidade de água doce de degelo e as potenciais alterações da circulação termohalina dos oceanos do mundo, pode afetar a pesca existente sobre a qual os seres humanos dependem também.

O gambá lemuroide branco, só encontrado nas florestas montanhosas do norte de Queensland, foi nomeado como a primeira espécie de mamífero levada à extinção pelo homem causada aquecimento global. O gambá Branco não tem sido visto a mais de três anos. Esses gambás não podem sobreviver a longo periodo de temperaturas maior que 30 ° C, que ocorreu em 2005. A última expedição para descobrir qualquer sobrevivente está prevista para 2009.

3 Comentários:

Anônimo disse...

muito bom, só acho que se deveria dizer os animais como por exemplo: Ursos Polares,....
E também acho que se explicar de um jeito de que crianças de 10 á 12 anos também ajudará, pois a maioria das crianças aprendem sobre isso mas vão procurar e não entendem certos sites com uma linguagem mais difícil para sua idade.

Anônimo disse...

Eu não intendi o texto, tem palavras difíceis mano

Anônimo disse...

Eu não disse?

Postar um comentário

Seja bem vindo ao Blog do Planeta.
Obrigado pela atenção dedicada.
Espero que tenham gostado do nosso conteúdo.
Fique a vontade para comentar.
Caso tenha problemas no comentário use o formulario logo abaixo.
Obrigado!
Cleisson

Referências e Tráfego
PageRank
Redes Sociais
Apoio

  © Planeta do Bem - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo